sexta-feira, 4 de março de 2011

CARNAVAL DO MARANHÃO.

                          Venha viver essa emoção.

O Carnaval de rua de São Luís é animado por diversas brincadeiras populares. Na folia, tomam conta das ruas os fofões, as tribos de índios, os blocos-de-sujos, os blocos tradicionais, a Casinha da Roça, além das escolas de samba.



O fofão é uma figura característica do carnaval maranhense, que se apresenta usando macacão de chita, estampada de cores vivas, complementado por uma estranha e fantástica máscara. Isoladamente, ou em grupos, os fofões se divertem, assustando e provocando os outros brincantes.


Essa festa de cores, ritmos e diversão acontece em circuitos de ruas e bairros, onde se destacam os circuitos de rua de São Pantaleão e da Madre Deus - importantes pólos de cultura popular.


Para quem prefere o Carnaval de trios elétricos, a Avenida Litorânea oferece muita animação, tendo como cenário, o bonito visual das praias. Folia que se repete, em outubro, quando acontece o Marafolia, a micareta de São Luís.


Por tradição, a folia diária deve terminar com um delicioso caldo de ovos ou de mariscos, ou uma peixada (de preferência na beira do mar) para repor as energias e evitar a ressaca.


Para encerrar o período de folia, há o Carnaval do Lava-pratos, no domingo seguinte, na vizinha cidade de São José de Ribamar.
 

O CARNAVAL E SUAS MANIFESTAÇÕES .

Hilton Carlos , brincante do bloco.
Foto: Márcio Arthur.




BLOCOS TRADICIONAIS.


São grupos tipicamente maranhenses surgidos na década de 50, caracterizados por fantasias luxuosas, confeccionadas com veludo bordado de paetês, miçangas e canutilhos, e um ritmo próprio marcado por grandes tambores. Sobre a cabeça, ostentam chapéus feitos com penas coloridas, patrocinando um bonito espetáculo visual com sua coreografia saltitante e cadenciada.


Foto: Márcio Arthur.

Os Blocos Tradicionais e seu show saltitante.
Foto: Márcio Arthur.

E tem mais alegria na passarela.
Foto:Márcio Arthur

Blocos Organizados na terça-feira gorda de carnaval.



FOFÕES.


Trajados com macacões confeccionadas com tecido estampado, os fofões se assemelham a palhaços da Comédia Del Arte. As máscaras de massa com grandes narizes e bocarras estão sendo substituídas, ultimamente, por máscaras de pano ou borracha, com feições horripilantes inspiradas em filmes de terror.



TRIBOS DE INDIOS


Surgiram, provavelmente, nos anos 40, imitando um ritual de cura conduzido por um pajé. A brincadeira é composta por meninos e adolescentes vestidos com trajes de índios norte-americanos que dançam ao som de uma batucada marcada por retintas e tambores de marcação.

 Os brincantes se apresentam com pinturas pelo corpo, vestidos de saiote, tendo cocares sobre a cabeça e arco e flexa como adereços, nas mãos


Casinha da Roça.

                                                                      Foto: Márcio Arthur.


Retratando um típico casebre do caboclo maranhense, a casinha da roça é uma outra brincadeira tipicamente maranhense. Trata-se de um carro alegórico montado na carroceria de um caminhão todo recoberto de palha com utensílios e características próprias de um casebre rural.

                                                                 Foto: Márcio Arthur.


 No interior do casebre estilizado, tambor de crioula toca e as correiras dançam à medida que o carro se desloca pelas ruas. Com o tambor de crioula, o carro alegórico transporta quebradeira de coco, uma mulher peneirando o arroz, cozinheiras  assando peixe, preprando café , indios, caçadores e outros tipos maranhenses.




"Fuzileiros da Fuzarca, uma tradição no carnaval do Maranhão."


BRINCADEIRA DE URSO.



É um auto popular apresentado no período carnavalesco, onde dois cordões de homens e mulheres, jovens e crianças se mostram fantasiados de caboclos, índios, soldados, curandeiros, médicos veterinários, baianas e ciganas.


A apresentação tem, ao centro, três personagens mascarados que rebolam todo o tempo: um macaco, um cachorro e um urso. Ao som de marchinhas carnavalescas executadas por um grupo de tocadores de banjo, violino, pandeiro, tarol, agogô e triângulo, a brincadeira contagia os espectadores.


O auto conta a estória de um caçador que vai caçar nas montanhas e, chegando a uma aldeia de índios, encontra os três animais. Após negociar com os índios a compra dos bichos, deixa os donos dos animais em prantos. Os animais ficam doentes, o que demanda a presença do veterinário, que não resolvendo o problema, tem de ceder lugar aos curandeiros, estes impedidos de atuar pelos policiais.


Diante da situação criada, o chefe índio tenta reaver os animais criando um conflito com o caçador, o que resulta numa batalha entre o povo índio e o povo do caçador, cabendo a vitória ao grupo do caçador. No final da estória, os animais ficam curados e tudo acaba com muita dança.

"Mestre-Sala e Porta Bandeira da Favela do Samba, nota 10 na alegria e evolução."


ESCOLAS DE SAMBA.



Grupos de foliões que, divididos em alas, se apresentam na passarela, fazendo evoluções com base num tema escolhido previamente. Em São Luís, esses grupos eram conhecidos, originariamente, como turmas, com destaque para a Turma de Mangueira e Turma do Quinto, duas das mais antigas escolas de samba. Havia ainda o Salgueiro, a Águia do Samba, a Unidos da Camboa, Marambaia do Samba, Império Serrano, Correio do Samba, Favela do Samba e Flor do Samba. No Carnaval de 99 desfilaram Favela do Samba, Turma do Quinto e Mangueira , das escolas mais antigas.

"Arrastão da Turma do Quinto na rua do Passeio no centro de São Luis;  jovens, adultos e crianças, a alegria não escolhe idade."

BLOCOS ORGANIZADOS.



São blocos formados por grupos de 20 a 30 brincantes fantasiados com roupas de tecido estampado na mesma padronagem, animados por uma bateria levando para a passarela um enredo.


                                             Foto: Márcio  Arthur.       
                
 Alguns pesquisadores consideram que os blocos tradicionais são desmembramento de escolas de samba. Já foram numerosos na década de 80. Atualmente existem poucos blocos tradicionais com destaque para a Turma do Saco, Grupo Sambista Caroçudos e Cobra nas Estrelas.

                                                             Foto: Márcio Arthur.



 Os Tambores dos Blocos tradicionais de São Luis fazem o chão tremer de Alegria e Empolgaçaõ."


Blocos Tradicionais  dando show na passarela do samba.


Magia, Alegria e Diversão em frente da Fonte do Ribeirão.


BLOCOS AFROS.



Foram inspirados nos grupos afros da Bahia. O primeiro bloco do gênero surgido em São Luís foi o Akomabu.


 A partir de uma proposta do Centro de Cultura Negra – CCN, de levar ao público, através de um grupo cultural organizado, a mensagem de luta da raça negra em busca da dignidade do povo negro. Nas letras das músicas do bloco o grupo Akomabu fala dos heróis negros e da opressão pelo branco, além de levar às ruas a mensagem de libertação, condenando a discriminação e o preconceito.

                                                        Foto: Márcio Arthur.
               
 Um segundo grupo surgiu por volta de 1990 no Bairro de Fátima. Com uma batuque mais forte e mais próximo do Olodum baiano, o Abibimã ao lado do Akomabu ressalta a beleza do povo e da música negra.

                                           Foto: Márcio Arthur.

Hoje, se apresentam na passarela do samba além do Akomabu e Abibimã os blocos surgidos depois desses que são:
 Bloco Afro-Aruanda,  Oficina Afro, Dindara, Netos de Nanã e Abiyéyé do Maylô (os dois ultimos do bairro da liberdade).
E todos deram show de animação e evolução africana ao som dos atabaques, das cabaças, do agôgõ e do timbal.
Levando todos a uma viagem mística  as tribos da Mãe África.




"Correira  marca o passo na frente do tambor grande, faz evolução e mostra que  gingado tem, a negra do Maranhão."



Bairro da Madre Deus, Celeiro da Cultura do Maranhão.



Em cada canto tem alegria , em cada esquina tem fofão, a ordem é brincar o Carnaval do Maranhão.



"Bicho terra, bicho homem, bicho onça, bicho mulher, só não pula , brinca e dança , quem não quer."
"Os espiritos das florestas, das matas , dos vales se fantasiam pra brincar o carnaval."




A banda "Bandida" roubando sorrisos e distribuindo alegria e diversão na Avenida Litorânea enas ruas históricas de São Luis.



As Bandas de Carnaval.

As bandas carnavalescas são responsáveis pelo aquecimento para o Carnaval. Começam a sair pelas ruas da cidade no dia 1º de janeiro animando os foliões até os dias que antecedem o Carnaval. Com uma orquestra onde predominam instrumentos de sopro, as bandas arrastam foliões nas ruas onde passam.


"O folião do Maranhão te espera te braços abertos com o coração na mão."



Venha você também ser feliz e viver a emoção de brincar e pular o Carnaval do maranhão.

E até o ano que vem.

                                 Márcio Arthur.
                                  08.03.2011








FONTE:Imagens
http://oscandangosdf.blogspot.com/2009/05/tribo-tapiaca-uhu-resistencia-e-beleza.html
http://br.olhares.com/tambor_de_crioula_foto2885221.html
http://www.overmundo.com.br/agenda/folia-laborarte
http://www.cultura.ma.gov.br/portal/sede/index.php?page=categoria_fotos_list&pg=2
http://pereira.renato.zip.net/arch2009-02-15_2009-02-21.html
http://www.universidadefm.ufma.br/?p=1445
http://averequete.blogspot.com/2011/02/fofao-simbolo-do-carnaval-maranhense.html
http://www.idwg.com.br/ciabarrica/noticia_extend/10
http://liciafabio.uol.com.br/comportamento/folia-do-bicho-terra/




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário