quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

O NAVIO ENCANTADO DE DOM JOÃO

                       

                                   
" Ah!! eu deixei o meu navio! (bis)  No porto afundiar!! (bis) Eu também deixei um vigia!!  (bis) Para atender e chamar......"

                        

                                      Vista do porto do Itaqui na Praia do Boqueirão  
                                                     Foto: Márcio Arthur 2012

 Assim começa o cântico  que é entoado na Casa de Yemanjá na Fé em Deus em homenagem ao nobre encantado Dom João Soeira, Rei das Minas, de Araúna, Rei da Mina de Ouro, Cavaleiro do Mar e Céu, para lembrar a chegada de  seu navio encantado que aportava as margens da Praia do Boqueirão, próximo ao antigo e extinto Terreiro do Egito,  próximo onde hoje funciona o Porto do Itaqui.
A nossa história de hoje tem como personagens, seres mágicos, invisíveis,conhecidos como  "povo do fundo " moradores de  um lugar denominado:

                                       ENCANTARIA

                                          * Imagem Ilustrativa


Sempre nessa data de 12 de dezembro, acontecia no tão misterioso Terreiro do Egito ( Ilê Nyame)  a festa do Baião de Princesas, o por que do "tão misterioso" se dá pelo motivo nessa mesma data surgia como por encanto em águas maranhenses o Navio  do Nobre Dom João e junto com ele sua tripulação encantada.
Um verdadeiro espetáculo jamais visto outro igual em terras , melhor dizendo em águas do Maranhão.


                                          *Imagem ilustrativa 


O próprio Dom João comandava tudo e junto dele a sua esposa a Rainha Dina (Fina Jóia),o Comandante João de Lima (Boto),Rainha Madalena,  o Imediato João Maçarico, o piloto Manoel Pretinho,

                                          *Imagem Ilustrativa


o marinheiro Jerladan, marinheiro Choroé,marinheiro Fernando, marinheiro Júlio Galeno,  Rei Sebastião, Dom Luis Rei de França,Dom Carlos da Gama, Rainha Bárbara Soeira, Princesa Conceição Soeira, Príncipe Alteredo, Menina do Caidô, Princesa Flora,  Príncipe Joãozinho Soeira, Seu Jariodama ( O turco) e demais encantados. 


                          
                                               Local onde funcionouo Terreiro do Egito
                                                 Foto: Márcio Arthur 2012

  A festa do Baião era dedicada a entidades femininas do tambor de Mina e algumas da Pajélança como:

*Imagem Ilustrativa


Rainhas, Princesas, Moças, Sereias, Mãe d'água, mas contava com a presença masculina de alguns encantados que vinham prestigiar a festa que acontecia anualmente durava uns 3 á 4 dias, de acordo com a ordem do Vodun Chefe do local. 
A festa começava altas horas da noite, próximo da meia noite, quando o navio encantado aparecia no mar.



                                          
Vista do alto do Terreiro do Egito.
Foto : Márcio Arthur 2012 

 
                                    Ao som de padeiros, cabaças, violino,castanholas a luz do luar surgia o navio encantado  de Dom João e do Terreiro do Egito podia-se ver a iluminação do navio,com suas bandeirolas e seus tripulantes transitando nele, depois podia-se ver também as canoas descendo 

Canoa a beira da Praia do Boqueirão.
Foto: Márcio Arthur 2012

 
  com seu tripulantes vindo até as margens da Praia do Boqueirão em direção ao Terreiro e na subida da ladeira,  desapareciam incorporando-se em seus filhos e dai a festa continuava até o amanhecer do outro dia.   
               
Essa festa começava na noite do dia 12, véspera de Santa Luzia e do dia do Marinheiro, seus tambores ecoavam até o amanhecer do dia 13 de Dezembro, data de muita importância para muito terreiros de São Luis como a Casa de Yemanjá na Fé em Deus, A Casa Fanti- Ashanti no Cruzeiro do Anil, A casa Deus é quem Guia no bairro do Lira, A Casa Fé em Deus no bairro do Sacavém.

Ao fim do festejos os tripulantes encantados retornavam ao navio para sua partida, mas não se podia vê-lo sumir no horizonte, ele se afastava cerca de trezentos metros em direção ao mar e então afundava lentamente nas águas do Itaqui.

           De fato deveria ser um momento único, lindo!
  

Dos brotos do Terreiro do Egito sairam pessoas que marcaram , fizeram e outras que continuam a fazer a história do Tambor de Mina e da Encantaria do Maranhão, pessoas como :

                             Caminho que leva ao Terreiro do Egito.
                                                      Foto: Márcio Arthur 2012


Meu saudoso Vodunnon Pai Jorge kadamanjá, Mãe Margarida Mota de Dantã,Pai Zacarias da Maioba, Mãe Denira de Vó Messan, Pairiaco, Pai Manoel do Pão de açucar, Elisa de Marinheiro Granjel, Pai Angêlo de Olho de Caboclo do Olho d"água  e Pai Euclides Talabyan que continua lutando pela preservação das tradições do Tambor de Mina, e tantos outros que meu saudoso pai me contava em suas histórias.



                     
                                  Márcio Arthur onde funcionou o Terreiro do Egito
                                                 Foto: Márcio Arthur 2012

Ficava encantado ao ouvir essas histórias ( ou estórias ) de Reis, Rainhas, Príncipes, Princesas, Sereias, Mãe D'água, Marinheiros, Pescadores, Nobres Cavaleiros, Crianças que desapareciam misteriosamente na beira de praia, em rios, em poços, cacimbas, histórias de lutas, batalhas , guerras e vitórias.

                 Histórias da Encantaria do Maranhão.

Coisas que ouvir quando criança, cresci ouvindo, coisa que sei contar, estou ficando velho de tanto contar e vou morrer contando, pois é o que eu gosto e sei fazer. 

                       Viver o Mundo da Encantaria.

*A ultima aparição do Navio Encantado de Dom João em águas maranhenses se deu no dia 12 de dezembro de 1978,  um ano antes da extinção do centenário Terreiro do Egito.


                            

                                          

Eternas saudades Pai Jorge kadamnjá, essa homenagem é especialmente ao senhor e á todos que fizeram parte de onde podemos chamar de Marco da Encantaria do Maranhão.

                Ilê Nyame, nosso pra sempre Terreiro do Egito. 


                                           Márcio Arthur.
                                  O Menestrel do Maranhão. 

                          





                         













                                   









          







                             



                        










Texto: Márcio Arthur.
Fonte de Imagens: Google 
Fotos : Márcio Arthur 2012


 *Nota:
Encontra-se no  encarte do Cd "Baião de Princesas" da Casa Fanti-Ashanti e do grupo a Barca , um relato sobre a aparição do Navio Encantado de Dom João.












5 comentários:

  1. Amei encontrar seu blog, sou neta de maranhense e nos meus tempos de menina minha avó contava as lendas e hoje vivo a procura delas. aqui encontrei nomes de encantados que ela falava.leio as teses de Mundicarmo Ferretti, mas queria algo assim...simples.
    Obrigada.
    Rosilda

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito também! Você sabe a história da Princesa Flora?

    ResponderExcluir